Quinteto do Ninho na Seleção consolida nova realidade do Flamengo nas categorias de base

  • Por GloboEsporte.com
  • 16/08/2019 às 17:20
  • Nacional

Craque o Flamengo faz em casa, exporta e coloca na Seleção. A frase que fez sucesso com times campeões nos anos 80 e 90 foi resignificada com o passar do tempo e comprovada na convocação da equipe nacional nesta sexta-feira. Cinco garotos do Ninho estiveram nas listas de Tite (quatro) e André Jardine (um), consolidando frutos do trabalho desenvolvido nas categorias de base.

Samir, Jorge, Vinícius Jr e Lucas Paquetá, na seleção principal, e Jean Lucas, na Olímpica, foram moldados em gerações diferentes (94, 96, 2000, 97 e 98, respectivamente), mas compartilham da mesma trajetória. Todos os cinco atuaram pelos profissionais e deram retorno financeiro ao clube, que fez R$ 381,8 milhões de caixa.

A receita contribui para o equilíbrio na entrada e saída dos milhões de um Flamengo que se mostra agressivo no mercado, mas reconhece a impotência diante do assédio europeu a suas joias. A precificação destas peças, no entanto, mostra que a evolução estrutural do clube permitiu que os garotos do Ninho deixassem o clube valorizados.

Vinicius Jr (1º), Lucas Paquetá (2º) e Jorge (5º) estão entre as cinco melhores vendas da história do clube (Adriano e Reinaldo, no início dos anos 2000, completam a lista). Primeiro a sair, em 2014, após ser titular nas conquistas de uma Copa do Brasil e de um Carioca, Samir chegou do Boavista ainda na base, se destacou e foi pinçado aos profissionais:

- É um momento muito especial, aquele dia que a gente sonha quando se torna jogador. Seleção é o ápice e estou feliz demais. Farei o meu melhor para honrar essa camisa e representar o meu país da melhor maneira possível. Que possa ser a primeira de muitas convocações. Aproveito para agradecer a dois treinadores que foram muito importantes na minha formação como atleta no Flamengo: Vanderlei e Jayme. Eles têm uma parcela muito grande por eu ter chegado onde cheguei.

Atual gerente de transição entre base e profissional, Carlos Noval acompanhou de perto este processo. Entre 2010 e 2018, o dirigente foi responsável por comandar o processo de formação do Flamengo e celebra os frutos:

- Estou muito feliz e orgulhoso pela convocação dos cinco. São atletas de gerações diferentes, onde eu pude contribuir ao longo desses anos em suas formações ativamente. Sempre bom enaltecer o trabalho de todos os profissionais da base que participaram da trajetória para que esses atletas chegassem ao nível que se encontram, resgatando o lema que craque o Flamengo faz em casa. Feliz também pela merecida convocação do Bruno Henrique, que vem fazendo uma ótima temporada.

Representante do elenco atual na lista de Tite, Bruno Henrique simboliza também um outro momento deste Flamengo, que coleciona títulos na base, mas aposta em estrelas no profissional. No clássico com o Vasco, sábado, em Brasília, pelo Brasileirão, a tendência é que apenas Thuler esteja entre os titulares - e como substituto do lesionado Rodrigo Caio, dono da posição.

Reflexo dos novos tempos, onde o Flamengo faz craque em casa, vende e vê chegar à Seleção.