ANÁLISE: O que o União pode tirar de positivo da eliminação para o futuro

  • Por Artur Dourado
  • 29/04/2021 às 14:47
  • FutebolMT

Gil Gomes / Assessoria União Esporte Clube

Vindo de dois jogos frustrantes contra o mesmo adversário, o União tinha a difícil tarefa de reverter o placar de 1x3 dentro de casa para passar de fase, e assim como nas manchetes, a narrativa dentro de campo não foi diferente. É fato que a classificação era o único resultado que importava para o Colorado, e apesar do fracasso, podemos tirar alguns pontos positivos do empate contra o Ação.

O JOGO

O União veio a campo com uma postura diferente de todos os outros jogos, talvez pela necessidade do resultado, o time parecia outro. Desde a chegada de Zé Humberto, pouco se via o União propondo o jogo, mantendo a posse e tentando buscar o gol de todas as formas possíveis. É fato que seria somente o terceiro jogo do time – desde a saída de Júlio César –, e não se pode cobrar desempenho de forma imediata, mas também é fato que o torcedor não tem nada a ver com isso.

O time veio a campo com algumas mudanças, postado num primeiro momento em um 4-3-3, Zé Humberto sacou o lateral-esquerdo Cássio e retornou Gabriel Neves a sua posição, e com isso, o União voltou a jogar com dois volantes de origem, Maranhão e Bruno Henrique. O meia Emerson Bacas ficou responsável pela armação das jogadas, servindo o trio ofensivo (Pará, Ronny e Irapuan), que contou com a volta de Ronny no lugar de Alex Maranhão – que nem no banco de reservas estava –, em dados momentos, Irapuan se isolava na frente e os dois extremos recuavam para fechar a marcação no meio-campo (4-1-4-1), o volante Maranhão ficava nas entrelinhas. Mais atrás, Tayrom deu lugar a Wallison, que voltou de lesão e foi importante na saída de bola.

O Ação, que estava com o resultado de baixo do braço, se fechou atrás e se limitou a jogar no contra-ataque, abrindo o placar desta forma, com Wellison aos 33’1T. O time também mostrou bastante competência tática e defensiva, com duas linhas de marcação bem definidas que impediram o mandante de chegar na grande área e finalizar com perigo. O bom desempenho do goleiro Zé Carlos também teve importância no resultado, evitando que Irapuan marcasse duas vezes nos primeiros quinze minutos de jogo.

Em entrevista, o técnico Zé Humberto reconheceu o empenho da equipe: “Hoje o time fez um jogo totalmente diferente, propôs o jogo, deu uma disposição acima, foi muito comprometido, muito focado. Infelizmente levamos um gol em uma bola parada, onde estávamos bem melhor no jogo. Ainda assim fomos atrás, tivemos três lesões e fomos obrigados a mudar taticamente, mesmo assim a equipe foi valente, fez o gol e poderia ter feito mais.’’, comentou.

O treinador também falou do futuro para o União: “Agora é conversar com a diretoria e o presidente e ver o que pensam, para podermos planejar. Temos uma Série D pela frente, replanejar tudo novamente, de cabeça fria, e com certeza fazer um grande campeonato”, acrescentou.

A primeira fase da Série D será disputada de 5 de junho até 5 de setembro. O União faz parte do Grupo A-05, composto por: União/MT, Porto Velho/RO, Jaraguá/GO, Gama/DF, Goianésia/GO, Aparecidense/GO, Nova Mutum MT e Vencedor Jogo 3 (Real Ariquemes-GO ou Brasiliense-DF).

Pelas expectativas criadas no início da temporada, e pelo vice-campeonato meses atrás, o União se despede de forma precoce e decepcionante do Campeonato Mato-Grossense 2021, resta ao torcedor esperar a Série D e sonhar com um time com identidade, competitivo, e é claro, vencedor.